...
segunda-feira ,17 junho 2024
Home / Noticias / Carioca ganha maior prêmio de tatuagem dos Estados Unidos

Carioca ganha maior prêmio de tatuagem dos Estados Unidos

Repro­du­ção: © Arqui­vo pes­s­so­al

Bruno Freitas, 43 anos recebeu o The All Star Tattoo Convention


Publi­ca­do em 04/10/2023 — 08:02 Por Ala­na Gan­dra — Repór­ter da Agên­cia Bra­sil — Rio de Janei­ro

ouvir:

O cari­o­ca de Jaca­re­pa­guá Bru­no Frei­tas, 43 anos, foi o ven­ce­dor do mai­or prê­mio de tatu­a­gem dos Esta­dos Uni­dos, o The All Star Tat­too Con­ven­ti­on, con­si­de­ra­do tam­bém um dos mai­o­res do mun­do. “Teve mais de 900 tatu­a­do­res de 46 paí­ses. E eu ganhei”, come­mo­rou, em entre­vis­ta à Agên­cia Bra­sil, o bra­si­lei­ro. O even­to ocor­reu em Mia­mi, na Fló­ri­da, no últi­mo dia 1º, e Bru­no Frei­tas fatu­rou o tro­féu na cate­go­ria Ori­en­tal Tra­di­ci­o­nal, com tatu­a­gem de um samu­rai. Ele ganhou con­ven­ção ante­ri­or, só que de nível esta­du­al.

“Tive­mos que des­mon­tar a loja, para mon­tar o estan­de lá, e na segun­da-fei­ra (2) esta­va tão can­sa­do que fechei a loja às 17h. Não aguen­ta­va nem falar. É mui­to can­sa­ti­vo mes­mo”. Ele tatu­ou na hora, no local da pro­va, mas já esta­va tra­ba­lhan­do a peça há seis meses, espe­ci­fi­ca­men­te para a con­ven­ção. Foram vári­as seções por sema­na no cor­po do geren­te da loja, Andre San­ta­na. Foram cer­ca de 120 horas para fazer a tatu­a­gem ven­ce­do­ra que pega as cos­tas, as náde­gas e meta­de das coxas para cima. O tem­po foi recor­de por­que, nor­mal­men­te, um dese­nho como esse demo­ra mais de um ano para se fazer. “O que cha­mou mui­ta aten­ção foi o fato de a tatu­a­gem [o samu­rai] ter tatu­a­gem tam­bém”.

O esti­lo de Frei­tas é a Yaku­za, tam­bém cha­ma­da de ire­zu­mi. Ela cobre todo o cor­po e inclui vári­os sen­ti­dos e sim­bo­lis­mo escon­di­dos em cada ele­men­to.

03/10/2023, Tatuagem feita por Bruno Freitas, tatuador brasileiro que venceu maior prêmio de tatuagem dos Estados Unidos. Foto: Arquivo pessoal
Repro­du­ção: Mia­mi — Tatu­a­gem fei­ta por Bru­no Frei­tas, bra­si­lei­ro que ven­ceu o mai­or prê­mio dos Esta­dos Uni­dos. Foto Arqui­vo pes­so­al

Saudade

Bru­no Frei­tas nun­ca vol­tou ao Bra­sil, embo­ra sin­ta sau­da­des, não só por não ter tem­po, mas tam­bém por receio devi­do à inse­gu­ran­ça no país. Sua mãe e sua afi­lha­da é que cos­tu­mam visi­tá-lo.

Frei­tas está há oito anos e meio nos Esta­dos Uni­dos, para onde via­jou aos 35 anos, em 2015. “Mas não foi fácil”, con­fes­sou. “Dor­mi no chão, pas­sei fome. Hoje em dia, meu inglês é inter­me­diá­rio. Aqui, se parar de tra­ba­lhar, você não vive. Não con­se­gue nada”. Por vári­os dias, sobre­vi­veu se ali­men­tan­do de uma pro­mo­ção cha­ma­da Four by four, que con­sis­tia em qua­tro refei­ções por US$ 4. “Era um ham­bur­guer de cri­an­ça, dois nug­gets, um refri­ge­ran­te e bata­ta fri­ta. Eu divi­dia essa refei­ção pelo dia intei­ro”.

Como con­si­de­ra o trans­por­te públi­co na Fló­ri­da mui­to ruim ele anda­va a pé, de ska­te ou de bici­cle­ta. “Come­cei do zero”. Quan­do sofreu uma que­da, em vez de ir para o hos­pi­tal colou o cor­te com super bon­der. “Não tinha dinhei­ro para pagar um hos­pi­tal”. Em nove meses, con­tu­do, abriu um estú­dio de tatoo. “As coi­sas ago­ra estão cami­nhan­do de manei­ra bem posi­ti­va”, afir­mou.

Frei­tas quei­xou-se tam­bém do calor, que con­si­de­ra insu­por­tá­vel na Fló­ri­da, dez vezes pior do que no Rio de Janei­ro. “A sen­sa­ção tér­mi­ca aqui é absur­da­men­te mai­or, não tem ven­to”. Ele até pen­sa em se trans­fe­rir para o Colo­ra­do ou para a Caro­li­na do Nor­te, mas pon­de­rou que teria de come­çar tudo do zero pela ter­cei­ra vez. “Já cri­ei raí­zes aqui; tenho minha cli­en­te­la”.

03/10/2023, Bruno Freitas, tatuador brasileiro vence maior prêmio de tatuagem dos Estados Unidos. Foto: Arquivo pessoal
Repro­du­ção: Mia­mi — Bra­si­lei­ro Bru­no Frei­tas ven­ce mai­or prê­mio de tatu­a­gem dos Esta­dos Uni­dos. Foto Arqui­vo pes­so­al

Foi difí­cil lar­gar entre 13 a 14 anos de tatu­a­gem no Rio e ten­tar a sor­te nos Esta­dos Uni­dos. “Meu tra­ba­lho é mui­to bem-acei­to aqui e não pre­ci­so de divul­ga­ção. Os ame­ri­ca­nos admi­ram. Fiquei lison­je­a­do com pes­so­as famo­sas que vie­ram aqui me elo­gi­ar e ao meu tra­ba­lho”. Bru­no Frei­tas tem rece­bi­do, inclu­si­ve, con­vi­tes para ir para a Euro­pa, Tai­lân­dia, o Japão. Hoje, ele tem a pró­pria mar­ca, a Black Kimo­no Tat­too, um dos mais con­cei­tu­a­dos estú­di­os de tatu­a­gem da Fló­ri­da. A espe­ra para tatu­ar com Bru­no pode ser de até seis meses.

Origem

A tatu­a­gem é uma das for­mas de arte mais anti­gas da huma­ni­da­de. Por mais de 5 mil anos, cul­tu­ras de todos os con­ti­nen­tes colo­ca­ram tin­tas per­ma­nen­tes em seus cor­pos, como defe­sas mís­ti­cas, sím­bo­los de sta­tus, ritos de pas­sa­gem ou, sim­ples­men­te, deco­ra­ção pes­so­al. Tec­ni­ca­men­te, con­sis­te em uma apli­ca­ção sub­cu­tâ­nea obti­da por meio da intro­du­ção de pig­men­tos por agu­lhas.

Edi­ção: Gra­ça Adju­to

LOGO AG BRASIL

Você pode Gostar de:

Sobe para 175 o número de mortos no RS após enchentes

Repro­du­ção: © Rafa Neddermeyer/Agência Bra­sil Dois corpos foram encontrados em Teutônia e Agudo Publicado em …