...
quinta-feira ,22 fevereiro 2024
Home / Entretenimento / Carnaval é melhor do que celular, dizem crianças em bloquinho no DF

Carnaval é melhor do que celular, dizem crianças em bloquinho no DF

Repro­du­ção: © Foto Antô­nio Cruz/ Agên­cia Bra­sil

Festa em Brasília, Carnapati, celebra alegria com ciranda e maracatu


Publi­ca­do em 12/02/2024 — 14:02 Por Luiz Clau­dio Fer­rei­ra — Repór­ter da Agên­cia Bra­sil — Bra­sí­lia

ouvir:

banner carnaval 2024

 

Brasília-DF 12/02/2024 Bloquinho infantil de carnaval Carnapati. Foto Antônio Cruz/ Agência Brasil.
Repro­du­ção: Bra­sí­lia-DF 12/02/2024 Rudah, de 8 anos, no blo­qui­nho infan­til de car­na­val Car­na­pa­ti. Foto Antô­nio Cruz/ Agên­cia Bra­sil.

Na cabe­ça, as fitas ver­me­lhas do capa­ce­te do cabo­clo de lan­ça emol­du­ram os olhos e o sor­ri­so encan­ta­dos do meni­no Rudah, de 8 anos. O garo­to bra­si­li­en­se, des­de tão cedo, apre­cia o mara­ca­tu de baque sol­to, da zona da mata per­nam­bu­ca­na. “Eu sou mui­to fã”. O meni­no diz que apren­deu na esco­la e com os pais, artis­tas, sobre cul­tu­ra bra­si­lei­ra. Dan­çou, sacu­diu as fitas e o figu­ri­no todo colo­ri­do, e pro­cu­ra­va pelos ami­gos enquan­to se diver­tia no Blo­co Car­na­pa­ti, nes­ta segun­da-fei­ra (12), na região cen­tral da capi­tal. “Mui­to melhor o car­na­val do que ficar no celu­lar”.

O pai, o músi­co Ran­dal Andra­de, de 51 anos, toca­va o tam­bor. Foi ele que dese­nhou e con­fec­ci­o­nou o capa­ce­te. “Ele ado­ra brin­car. Não quer nem saber de TV ou jogui­nhos de celu­lar. Esti­mu­la­mos que ele viva a arte”. A mãe, Verô­ni­ca Alves, de 32, toca­va o gan­zá e se orgu­lha­va do colo­ri­do da rou­pa que ela pro­du­ziu para o meni­no com o dese­nho do car­ca­rá, pás­sa­ro que a famí­lia acha mais boni­to. “Car­na­val é tem­po da gen­te se diver­tir em famí­lia. Ir para a rua. A gen­te espe­ra mui­to por esse momen­to”.

Brasília-DF 12/02/2024 Bloquinho infantil de carnaval Carnapati. ( Tereza Padilha, Idealizadora) Foto Antônio Cruz/ Agência Brasil.
Repro­du­ção: Bra­sí­lia-DF 12/02/2024 Tere­za Padi­lha, ide­a­li­za­do­ra do Blo­qui­nho infan­til de car­na­val Car­na­pa­ti — Foto Antô­nio Cruz/ Agên­cia Bra­sil.

A famí­lia e outras deze­nas de pes­so­as, par­ti­ci­pa­vam tam­bém da ciran­da, ao som de músi­ca per­nam­bu­ca­na no Eixo Cul­tu­ral Ibe­ro-ame­ri­ca­no (anti­ga Funar­te). Adul­tos e cri­an­ças se diver­ti­am com a brin­ca­dei­ra do cami­nho do pei­xe Nonô, o bone­co cri­a­do pela Com­pa­nhia Tea­tral Mapa­ti, que orga­ni­za a fes­ta há 27 anos. Ide­a­li­za­do­ra do tea­tro e des­sa fes­ta car­na­va­les­ca, a dra­ma­tur­ga Tere­za Padi­lha enfa­ti­za que é fun­da­men­tal garan­tir espa­ço para que cri­an­ças cur­tam a épo­ca.

“Nós somos pio­nei­ros (na déca­da de 1990, jun­to com o Blo­co A Bara­ti­nha) nos car­na­vais infan­tis. É mui­to sau­dá­vel que as pes­so­as res­pon­sá­veis tirem as cri­an­ças de fren­te das telas para poder viver o car­na­val, essa fes­ta demo­crá­ti­ca e de tan­ta ale­gria”, afir­ma a artis­ta.

Cultura

Com fan­ta­sia de pome­ra­no, o meni­no Hei­tor, de 9 anos, acom­pa­nha­do do pai, Anto­nio San­tos, e da mãe, Andre­les­se Arru­da, ambos de 41, esta­va empol­ga­do com a ciran­da, o que fez com que esque­ces­se os jogui­nhos de celu­lar. “Bem mais legal”. Os pais con­cor­dam que o car­na­val, a músi­ca e o sol tor­na­ram a segun­da de car­na­val mais atra­en­te para o meni­no do que as telas. “Temos a pre­o­cu­pa­ção de apre­sen­tar para ele a cul­tu­ra do nos­so país”, afir­mou o pai. “Ele está ven­do que é mui­to mais sau­dá­vel”, dis­se a mãe.

Entre rit­mos nor­des­ti­nos, uma famí­lia mata­va sau­da­des da ter­ra natal, com a cami­se­ta com as cores e sím­bo­los da ban­dei­ra per­nam­bu­ca­na. Radi­ca­do em Bra­sí­lia, o casal Tia­go Mei­re­les, de 39, e Isa­be­la, de 40, levou o peque­no Artur, de 2 anos, para a fes­ta, e assim ensi­na­rem as músi­cas des­de peque­no. “É uma sau­da­de boa da nos­sa ter­ra. Os blo­qui­nhos nos aju­dam”.

Com o sol que per­sis­tiu em Bra­sí­lia, a cri­an­ça­da brin­ca­va de mãos dadas com os adul­tos ao som da músi­ca de Lia de Ita­ma­ra­cá. Apren­de­ram rápi­do a can­tar… “Minha ciran­da não é minha só/Ela é de todos nós/ ela é de todos nós”.

Brasília-DF 12/02/2024 Bloquinho infantil de carnaval Carnapati. Família Pernanbucana do Thiago Meireles) Foto Antônio Cruz/ Agência Brasil.
Repro­du­ção: Bra­sí­lia-DF 12/02/2024 Blo­qui­nho infan­til de car­na­val Car­na­pa­ti. Famí­lia Per­nan­bu­ca­na  — Foto Antô­nio Cruz/ Agên­cia Bra­sil.

Edi­ção: Sabri­na Crai­de

LOGO AG BRASIL

Você pode Gostar de:

Restauração florestal em cafezais é viável economicamente, diz estudo

Repro­du­ção: © REUTERS/Jose Rober­to Gomes Produtividade na Mata Atlântica pode aumentar com reflorestamento Publi­ca­do em …