...
quarta-feira ,19 junho 2024
Home / Economia / Digitalização de serviços públicos gera economia de R$ 2 bi por ano

Digitalização de serviços públicos gera economia de R$ 2 bi por ano

screenshot_2020-07-31_governo_federal_-_governo_do_brasil_

© Por­tal do Gover­no Fede­ral (Repro­du­ção)

Atualmente, 64,5% dos serviços federais estão totalmente digitalizados

Publi­ca­do em 08/01/2021 — 19:47 Por Agên­cia Bra­sil — Bra­sí­lia


A digi­ta­li­za­ção dos ser­vi­ços públi­cos gerou eco­no­mia de R$ 2 bilhões por ano, sen­do R$ 1,5 bilhão para a popu­la­ção e R$ 500 milhões para o gover­no. A esti­ma­ti­va cons­ta de balan­ço divul­ga­do hoje (8) pela Secre­ta­ria Espe­ci­al de Des­bu­ro­cra­ti­za­ção, Ges­tão e Gover­no Digi­tal do Minis­té­rio da Eco­no­mia.

O núme­ro de cida­dãos cadas­tra­dos no Por­tal do Gover­no Fede­ral, que uni­fi­ca os sites do gover­no e per­mi­te o aces­so a ser­vi­ços por um login úni­co, está em 88 milhões. Isso repre­sen­ta 51 vezes mais que o total regis­tra­do em janei­ro de 2019, quan­do ape­nas 1,7 milhão de bra­si­lei­ros usa­vam os ser­vi­ços de for­ma digi­tal.

Atu­al­men­te, o por­tal gov.br ofe­re­ce 4.137 ser­vi­ços de 193 órgãos fede­rais, dos quais 2.670 (64,5%) são total­men­te digi­ta­li­za­dos. O por­tal dis­po­ni­bi­li­za ain­da 640 ser­vi­ços (15,5%) par­ci­al­men­te digi­ta­li­za­dos, com eta­pas exe­cu­ta­das no por­tal, mas que ain­da exi­gem algum pro­ce­di­men­to pre­sen­ci­al, como entre­ga de docu­men­tos. Por fim, exis­tem 827 ser­vi­ços não digi­tais (20%), que só podem ser ini­ci­a­dos no site, mas exi­gem a pre­sen­ça físi­ca nas demais fases.

No ano pas­sa­do, o Minis­té­rio da Eco­no­mia lan­çou a Estra­té­gia de Gover­no Digi­tal 2020–2022, com o obje­ti­vo de che­gar ao fim do pró­xi­mo ano com 100% dos ser­vi­ços públi­cos e dos por­tais fede­rais digi­ta­li­za­dos. A meta de digi­ta­li­zar 1 mil ser­vi­ços nos dois pri­mei­ros anos do atu­al gover­no foi alcan­ça­da em outu­bro, ten­do sido ace­le­ra­da por cau­sa da pan­de­mia de covid-19.

Segun­do o Minis­té­rio da Eco­no­mia, a neces­si­da­de de evi­tar aglo­me­ra­ções duran­te a pan­de­mia ace­le­rou o cro­no­gra­ma, com o gover­no dan­do pri­o­ri­da­de para ser­vi­ços que bene­fi­ci­am gran­de núme­ro de pes­so­as, como os pedi­dos de apo­sen­ta­do­ria por tem­po de con­tri­bui­ção e de auxí­lio emer­gen­ci­al e o segu­ro-desem­pre­go do empre­ga­do domés­ti­co.

Entre os ser­vi­ços total­men­te digi­ta­li­za­dos, estão a Car­tei­ra Digi­tal de Trân­si­to, a Car­tei­ra de Tra­ba­lho Digi­tal e o apli­ca­ti­vo Meu INSS, que per­mi­tem aten­di­men­to intei­ra­men­te onli­ne. Em rela­ção ao Meu INSS, o gover­no pro­mo­ve, des­de agos­to, um pro­je­to pilo­to de rea­li­za­ção de pro­va de vida pelos apo­sen­ta­dos de for­ma exclu­si­va­men­te digi­tal, por meio do sis­te­ma de bio­me­tria faci­al pelo celu­lar.

Edi­ção: Nádia Fran­co

Você pode Gostar de:

Trabalhador de aplicativo: sem proteção social, mas contra a regulação

Repro­du­ção: © Fer­nan­do Frazão/Agência Bra­sil Pesquisa do Ipea mostra precarização das condições de trabalho Publicado …