...
quarta-feira ,19 junho 2024
Home / Direitos Humanos / Governo repudia atos de feminicídio em período natalino

Governo repudia atos de feminicídio em período natalino

violencia_domestica_marcos_santos_usp

© Mar­cos Santos/USP (Repro­du­ção)

Em nota, secretaria presta solidariedade às famílias das vítimas


Publi­ca­do em 27/12/2020 — 14:53 Por Heloi­sa Cris­tal­do — Repór­ter da Agên­cia Bra­sil — Bra­sí­lia

A Secre­ta­ria Naci­o­nal de Polí­ti­cas para as Mulhe­res (SNPM) do Minis­té­rio da Mulher, da Famí­lia e dos Direi­tos Huma­nos divul­gou uma nota para “repu­di­ar e demons­trar soli­da­ri­e­da­de às famí­li­as que nes­te Natal per­de­ram vidas, em razão de femi­ni­cí­di­os bru­tais”. Entre os dias 24 e 25, pelo menos cin­co mulhe­res foram assas­si­na­das pelo mari­do ou ex-com­pa­nhei­ro no Bra­sil.

“Os casos que estam­pa­ram os jor­nais demons­tram, mais uma vez, que a vio­lên­cia con­tra a mulher não esco­lhe raça, clas­se soci­al ou mes­mo nível de esco­la­ri­da­de. Tra­ta-se de mal que atin­ge o Bra­sil, o mun­do e exi­ge união de esfor­ços para supe­rar”, afir­ma a nota assi­na­da pela secre­tá­ria Naci­o­nal de Polí­ti­cas para as Mulhe­res, Cris­ti­a­ne Bri­to.

A pas­ta refor­ça os canais para denún­ci­as, que podem ser anô­ni­mas e rece­bem um núme­ro de pro­to­co­lo para que o denun­ci­an­te pos­sa acom­pa­nhar o anda­men­to. Qual­quer pes­soa pode aci­o­nar o ser­vi­ço, que fun­ci­o­na dia­ri­a­men­te, 24h, incluin­do sába­dos, domin­gos e feri­a­dos.

Segun­do a secre­tá­ria, o gover­no fede­ral vai lan­çar nos pró­xi­mos meses o Pla­no Naci­o­nal de Enfren­ta­men­to ao Femi­ni­cí­dio, com atu­a­ção trans­ver­sal, em con­jun­to com outros minis­té­ri­os.

“Res­sal­ta-se ain­da que ao lon­go do ano foram rea­li­za­das diver­sas cam­pa­nhas, inclu­si­ve com foco na vigi­lân­cia soli­dá­ria e ações de for­ta­le­ci­men­to da rede de aten­di­men­to. Por fim, rea­fir­ma­mos o nos­so com­pro­mis­so com eli­mi­na­ção de todo de tipo de vio­lên­cia con­tra as mulhe­res”, diz a nota.

Juíza do trabalho

Entre os casos de mai­or reper­cus­são está o da juí­za Vivi­a­ne Viei­ra do Ama­ral Arro­nen­zi, de 45 anos. O assas­si­no, segun­do a Polí­cia Civil do Rio de Janei­ro, é o ex-mari­do Pau­lo José Arro­nen­zi, de 52 anos.

Viviane Vieira do Amaral Arronenzi
Vivi­a­ne Viei­ra do Ama­ral Arro­nen­zi — Repro­du­ção Facebook/Viviane Viei­ra do Ama­ral Arro­nen­zi

juí­za foi mor­ta a faca­das, no iní­cio da noi­te de quin­ta-fei­ra (24). De acor­do com a Guar­da Muni­ci­pal, as três filhas peque­nas, que esta­vam com os pais pre­sen­ci­a­ram o cri­me, que ocor­reu em fren­te ao Colé­gio Esta­du­al Vicen­te Jan­nuz­zi, na Bar­ra da Tiju­ca, zona oes­te da cida­de.

Edi­ção: Ali­ne Leal

Agên­cia Bra­sil / EBC


 

Você pode Gostar de:

Canjica, munguzá, pé-de-moleque: conheça a origem das comidas juninas

Repro­du­ção: © Minis­té­rio da Saúde/Divulgação Pratos típicos retratam mistura de culturas no Brasil Publicado em …