...
sexta-feira ,23 fevereiro 2024
Home / Esportes / Livro homenageia adolescentes mortos em incêndio no CT do Flamengo

Livro homenageia adolescentes mortos em incêndio no CT do Flamengo

Repro­du­ção: © Divulgação/Editora Intrín­se­ca

De Volta ao Ninho traz revelações impactantes sobre trágédia há 5 anos


Publi­ca­do em 08/02/2024 — 05:17 Por Agên­cia Bra­sil* — Rio de Janei­ro

ouvir:

Há cin­co anos, às 5h17 do dia 8 de feve­rei­ro, tinha iní­cio o incên­dio que viti­mou 10 atle­tas ado­les­cen­tes alo­ja­dos em con­têi­ne­res, no Cen­tro de Trei­na­men­to (CT) do Fla­men­go, mais conhe­ci­do como o Ninho do Uru­bu, na zona oes­te da cida­de do Rio de Janei­ro. O pro­ces­so cri­mi­nal sobre a tra­gé­dia segue na Jus­ti­ça — a pri­mei­ra audi­ên­cia ocor­reu em agos­to do ano pas­sa­do -, mas o recém-lan­ça­do livro “Lon­ge do Ninho”, da jor­na­lis­ta e escri­to­ra Dani­e­la Arbex, traz reve­la­ções iné­di­tas daque­la madru­ga­da fatí­di­ca. Com ida­des entre 14 e 16 anos, mor­re­ram no incên­dio Arthur Vini­cius, Athi­la Pai­xão, Ber­nar­do Piset­ta, Chris­ti­an Esmé­rio, Ged­son San­tos, Jor­ge Edu­ar­do, Pablo Hen­ri­que, Rykel­mo de Sou­za Via­na, Samu­el Tho­mas e Vitor Isaías. 

“Eu não escre­vo sobre tra­gé­di­as, mas sim sobre omis­sões que cau­sam tra­gé­di­as”, dis­se Arbex„ no iní­cio da entre­vis­ta que con­ce­deu na últi­ma ter­ça-fei­ra (6), ao pro­gra­ma Sta­dium, da TV Bra­sil, um dia após o lan­ça­men­to do livro no Rio de Janei­ro.

homenagem aos meninos do ninho em muro em frente ao estádio do Maracanã - 10 adolescentes morreram em incêndio no CT do Flamengo, em 08/02/2019
Repro­du­ção: Capa do livro  é obra do artis­ta plás­ti­co  Airá O Cres­po, que tam­bém home­na­ge­ou os aos Garo­tos do Ninho m pai­nel gra­fi­ta­do no muro em fren­te ao está­dio do Mara­ca­nã  — airaocrespo/Instagram

A ideia do livro sur­giu após a escri­to­ra ser pro­cu­ra­da por uma mãe que per­de­ra o filho no incên­dio. Após dois anos reu­nin­do depoi­men­tos e inves­ti­gan­do o caso, a escri­to­ra nar­ra de for­ma como­ven­te o dia a dia dos meni­nos, a ami­za­de entre eles, o luto infi­ni­to dos pais e, sobre­tu­do, o rol de negli­gên­ci­as que cul­mi­na­ram na mor­te de 10 ino­cen­tes.

Entre as reve­la­ções iné­di­tas no livro está o fato de os meni­nos do ninho não terem mor­ri­do dor­min­do, como pen­sa­va a mai­o­ria dos pais.

“A gen­te con­se­gue recons­truir aque­la madru­ga­da trá­gi­ca, o que acon­te­ceu em cada quar­to. Uma das por­tas dos con­têi­ne­res onde os meni­nos dor­mi­am esta­va com defei­to. Quan­do ela batia com for­ça ela tra­va­va por den­tro e só podia ser aber­ta por fora. Então, em um deter­mi­na­do quar­to, os meni­nos não tive­ram a chan­ce de fugir”.

Dani­e­la Arbex tra­çou uma linha do tem­po “assus­ta­do­ra” em que enfi­lei­ra vári­as fis­ca­li­za­ções do Minis­té­rio Públi­co no CT do Ninho do Uru­bu a par­tir de 2012, nas quais são apon­ta­das diver­sas neces­si­da­des de melho­ria em rela­ção ao aten­di­men­to ofe­re­ci­do aos atle­tas da base.

“Em 2014 foi fei­ta uma ten­ta­ti­va de um Ter­mo de Ajus­ta­men­to de Con­du­ta (TAC) que não se rea­li­zou. O Fla­men­go se recu­sou a fazer o TAC. Isso foi judi­ci­a­li­za­do e em 2015:foi ins­tau­ra­da uma ação civil públi­ca. Em 2019, quan­do o incên­dio acon­te­ceu, esta ação ain­da esta­va em anda­men­to. Então eu falo: o tem­po da jus­ti­ça nem sem­pre é o tem­po de quem pre­ci­sa dela. De 2012 a 2019 o Fla­men­go teve inú­me­ras opor­tu­ni­da­des de se ade­quar, já os meni­nos do ninho não tive­ram nenhu­ma chan­ce”.

Não foram pou­cas as vezes que a escri­to­ra, mãe de um meni­no de 12 anos, se emo­ci­o­nou duran­te o tra­ba­lho de inves­ti­ga­ção.

“Quan­do as víti­mas che­ga­ram ao Ins­ti­tu­to Médi­co Legal (IML), a legis­ta per­ce­beu que todas as pla­cas de cres­ci­men­to [áre­as de car­ti­la­gem nos ossos lon­gos] esta­vam aber­tas, o que mos­tra que eles [os garo­tos do ninho] teri­am mui­to tem­po para se tor­nar as estre­las que eles podi­am ser”.

Para Dani­e­la Arbex, o juiz Mar­ce­lo Lagu­na Duque Estra­da (titu­lar da 36ª Vara Cri­mi­nal do Tri­bu­nal de Jus­ti­ça do Rio), dis­se tudo que pre­ci­sa­va ser dito sobre o incên­dio no CT do Fla­men­go ao aco­lher a denún­cia do MP-RJ.

“Ele fala em auto­ri­as cola­te­rais, que o incên­dio no ar con­di­ci­o­na­do foi a pon­ta do ice­berg. Hou­ve vári­as omis­sões ante­ri­o­res que cul­mi­na­ram naque­la madru­ga­da trá­gi­ca. Uma delas é que o Ninho do Uru­bu sequer deve­ria estar fun­ci­o­nan­do; ele fala que aque­le con­têi­ner era uma ara­pu­ca mor­tal”.

Entre as refle­xões sus­ci­ta­das pela auto­ra está o cui­da­do com a saú­de men­tal de ado­les­cen­tes que ini­ci­am mui­to cedo a car­rei­ra de atle­ta.

“Acho que o livro joga luz a um tema pou­co dis­cu­ti­do, que é a capa­ci­da­de de clu­bes cui­da­rem da saú­de men­tal des­ses atle­tas em for­ma­ção, que saem de casa pre­co­ce­men­te e já desen­vol­vem rela­ções comer­ci­ais, que te têm sobre­car­ga físi­ca; fra­gi­li­da­de dos seus laços afe­ti­vos por­que estão lon­ge dos ver­da­dei­ros ninhos, lon­ge de casa e da pro­te­ção de seus pais. E qual a capa­ci­da­de dos clu­bes de aco­lhe­rem esses meni­nos afe­ti­va­men­te e ofe­re­ce­rem um supor­te de saú­de men­tal. Fiquei mui­to impres­si­o­na­da com um dos meni­nos que sobre­vi­veu e que me dis­se que aos 20 anos se sen­tia um fra­cas­sa­do, que ele era velho demais aos 20 anos”.

De acor­do com a escri­to­ra, o Fla­men­go se recu­sou a dar qual­quer depoi­men­to para o livro. Dani­e­la Arbex che­gou a visi­tar o museu do clu­be da Gávea e se sur­pre­en­deu ao não encon­trar regis­tro algum sobre os garo­tos do ninho.

“Falo sem­pre que o esque­ci­men­to nega a his­tó­ria. Quan­do uma his­tó­ria não é con­ta­da é como se ela não tives­se exis­ti­do. E é por isso que esse livro exis­te: para a gen­te dizer que essa his­tó­ria acon­te­ceu e para gen­te eter­ni­zar a his­tó­ria dos meni­nos”, con­cluiu.

Edi­ção: Cláu­dia Soa­res Rodri­gues

LOGO AG BRASIL

Você pode Gostar de:

Líder Fluminense recebe Vasco em clássico no Maracanã

Repro­du­ção: © Lean­dro Amorim/Vasco/Direitos Reser­va­dos Rádio Nacional transmite jogão de bola a partir das 21h30 …