...
sexta-feira ,23 fevereiro 2024
Home / Noticias / O que é o sal-gema e por que sua extração gerou problemas em Maceió?

O que é o sal-gema e por que sua extração gerou problemas em Maceió?

Repro­du­ção: © Tawatchai/Frepik

Produto é usado na produção de soda cáustica e bicarbonato de sódio


Publi­ca­do em 03/12/2023 — 15:38 Por Léo Rodri­gues — Repór­ter da Agên­cia Bra­sil — Rio de Janei­ro

ouvir:

Par­te dos mora­do­res de Maceió vivem dias de ten­são. Na últi­ma quar­ta-fei­ra (29), a pre­fei­tu­ra da capi­tal ala­go­a­na decre­tou situ­a­ção de emer­gên­cia dian­te do imi­nen­te colap­so em uma das minas de sal-gema explo­ra­das pela petroquí­mi­ca Bras­kem no bair­ro do Mus­tan­ge. É mais um capí­tu­lo de uma his­tó­ria que se arras­ta des­de 2018, quan­do foram regis­tra­dos afun­da­men­tos em cin­co bair­ros. Esti­ma-se que cer­ca de 60 mil resi­den­tes tive­ram que se mudar do local e dei­xar para trás os seus imó­veis.

O ris­co de colap­so em uma das 35 minas de res­pon­sa­bi­li­da­de da Bras­kem vem sen­do moni­to­ra­do pela Defe­sa Civil de Maceió e foi detec­ta­do devi­do ao avan­ço no afun­da­men­to. A petroquí­mi­ca con­fir­ma que pode ocor­rer um gran­de desa­ba­men­to da área, mas afir­ma que exis­te tam­bém a pos­si­bi­li­da­de de que o solo se aco­mo­de. Um even­tu­al colap­so gera­ria um tre­mor de ter­ra e tem poten­ci­al para abrir uma cra­te­ra mai­or que o está­dio do Mara­ca­nã. As con­sequên­ci­as, no entan­to, ain­da são incer­tas. O gover­no fede­ral tam­bém acom­pa­nha a situ­a­ção.

Mas o que é o sal-gema? Dife­ren­te do sal que geral­men­te usa­mos na cozi­nha, que é obti­do do mar, o sal-gema é encon­tra­do em jazi­das sub­ter­râ­ne­as for­ma­das há milha­res de anos a par­tir da eva­po­ra­ção de por­ções do oce­a­no. Por esta razão, o clo­re­to de sódio é acom­pa­nha­do de uma vari­e­da­de de mine­rais.

Desig­na­do tam­bém por hali­ta, o sal-gema é comer­ci­a­li­za­do para uso na cozi­nha. Mui­to comum nos super­mer­ca­dos, o sal extraí­do no Hima­laia, que pos­sui uma tona­li­da­de rosa devi­do às carac­te­rís­ti­cas locais, é um sal-gema.

No entan­to, o sal-gema é tam­bém uma maté­ria-pri­ma ver­sá­til para a indús­tria quí­mi­ca. É empre­ga­do, por exem­plo, na pro­du­ção de soda cáus­ti­ca, áci­do clo­rí­dri­co, bicar­bo­na­to de sódio, sabão, deter­gen­te e pas­ta de den­te, enfim, na fabri­ca­ção de pro­du­tos de lim­pe­za e de higi­e­ne e em pro­du­tos far­ma­cêu­ti­cos.

Indústria

Ini­ci­al­men­te, a explo­ra­ção em Maceió se vol­tou para a pro­du­ção de diclo­ro­e­ta­no, subs­tân­cia empre­ga­da na fabri­ca­ção de PVC. Não por aca­so, des­de que inau­gu­rou em 2012 uma uni­da­de indus­tri­al na cida­de de Mare­chal Deo­do­ro, vizi­nha a Maceió, a Bras­kem se tor­nou a mai­or pro­du­to­ra de PVC do con­ti­nen­te ame­ri­ca­no. Outras indús­tri­as, como a de celu­lo­se e de vidro, tam­bém empre­gam o sal-gema em seus pro­ces­sos.

A explo­ra­ção de sal-gema, como outros mine­rais, depen­de de licen­ci­a­men­to ambi­en­tal. A explo­ra­ção é fis­ca­li­za­da pela Agên­cia Naci­o­nal de Mine­ra­ção (ANM). No mer­ca­do inter­na­ci­o­nal, o Bra­sil é um ator rele­van­te. Segun­do dados da ANM, foram 7 milhões de tone­la­das em 2002. O ran­king do ano pas­sa­do, no entan­to, mos­tra que os três líde­res mun­di­ais têm pro­du­ção mui­to mais robus­ta que todos os demais: Chi­na (64 milhões de tone­la­das), Índia (45 milhões) e Esta­dos Uni­dos (42 milhões).

Em Maceió, a explo­ra­ção das minas teve iní­cio em 1976 pela empre­sa Sal­ge­ma Indús­tri­as Quí­mi­cas, que logo foi esta­ti­za­da e mais tar­de nova­men­te pri­va­ti­za­da. Em 1996, mudou de nome para Tri­kem e, em 2002, fun­de-se com outras empre­sas meno­res tor­nan­do-se final­men­te Bras­kem, com con­tro­le majo­ri­tá­rio do Gru­po Novo­nor, anti­go Gru­po Ode­bre­cht. A Petro­bras tam­bém pos­sui par­ti­ci­pa­ção aci­o­ná­ria na empre­sa, com 47% das ações, divi­din­do o con­tro­le aci­o­ná­rio com a Novo­nor. Atu­al­men­te, a Bras­kem desen­vol­ve ati­vi­da­des não ape­nas no Bra­sil, como tam­bém em outros paí­ses como Esta­dos Uni­dos, Méxi­co e Ale­ma­nha.

Escavação

A explo­ra­ção em Maceió envol­via a esca­va­ção de poços até a cama­da de sal, que pode estar há mais de mil metros de pro­fun­di­da­de. Então, inje­ta­va-se água para dis­sol­ver o sal-gema e for­mar uma sal­mou­ra. Em segui­da, usan­do um sis­te­ma de pres­são, a solu­ção era tra­zi­da até a super­fí­cie. Ao fim da extra­ção, esses poços pre­ci­sam ser pre­en­chi­dos com uma solu­ção líqui­da para man­ter a esta­bi­li­da­de do solo.

O pro­ble­ma em Maceió ocor­reu por vaza­men­to des­sa solu­ção líqui­da, dei­xan­do bura­cos na cama­da de sal. Uma hipó­te­se já levan­ta­da por pes­qui­sa­do­res é de que a ocor­rên­cia tenha rela­ção com falhas geo­ló­gi­cas na região. Con­se­quen­te­men­te, a ins­ta­bi­li­da­de no solo levou a um tre­mor de ter­ra sen­ti­do em mar­ço de 2018. O even­to cau­sou os afun­da­men­tos nos cin­co bair­ros: Pinhei­ro, Mus­tan­ge, Bebe­dou­ro, Bom Par­to e Farol.

Com novos tre­mo­res e o sur­gi­men­to de racha­du­ras em casas e ruas, a Bras­kem anun­ci­ou o fim da explo­ra­ção das minas em maio de 2019. A petroquí­mi­ca diz que já foi pago R$ 3,7 bilhões em inde­ni­za­ções e auxí­li­os finan­cei­ros para mora­do­res e comer­ci­an­tes des­ses bair­ros. Uma par­ce­la dos atin­gi­dos bus­ca repa­ra­ção atra­vés de pro­ces­sos judi­ci­ais. O caso tam­bém é dis­cu­ti­do em ações movi­das pelo Minis­té­rio Públi­co Fede­ral (MPF).

Edi­ção: Ali­ne Leal

LOGO AG BRASIL

Você pode Gostar de:

Nenhuma aposta acerta a Mega-Sena e prêmio vai a R$ 97 milhões

Repro­du­ção: © Rafa Neddermeyer/Agência Bra­sil Veja os números sorteados: 09 – 28 – 33 – …