quinta-feira ,16 setembro 2021
Home / Esportes / Olimpíada: revezamento 4×200 metros termina final em oitavo lugar

Olimpíada: revezamento 4×200 metros termina final em oitavo lugar

Revezamento 4x200 livre. Jogos Olimpicos, Tokyo 2020. 28 de Julho de 2021, Toquio, Japao. Foto: Satiro Sodré/SSPress/CBDA
Reprodução: © Satiro Sodré/SSPress/CBDA/Direitos Reservados

Favoritos, britânicos vencem prova seguidos por russos e australianos


Publicado em 28/07/2021 – 02:39 Por Lincoln Chaves – Repórter da TV Brasil e da Rádio Nacional – São Paulo

O Brasil terminou a final do revezamento 4×200 metros (m) estilo livre da Olimpíada de Tóquio (Japão) na oitava, e última, posição. A prova foi realizada nesta quarta-feira (28) no Centro Aquático da capital japonesa. O jovem quarteto formado por Fernando Scheffer, Murilo Sartori, Breno Correia e Luiz Altamir cravou o tempo de 7min8s22, quase meio segundo acima da marca feita na eliminatória, que também rendeu a eles o oitavo lugar.

A Grã-Bretanha, com Thomas Dean, James Guy, Matthew Richards e Duncan Scott, levou a medalha de ouro, finalizando a prova em 6min58s58. O resultado confirmou o favoritismo dos britânicos. Na última segunda-feira (27), Dean venceu os 200 m livres, com Scott em segundo e o brasileiro Scheffer em terceiro. A equipe do Comitê Olímpico Russo ficou com a prata no revezamento, enquanto a Austrália foi bronze.

Scheffer, de 23 anos, foi justamente quem abriu o revezamento brasileiro. Nas três primeiras viradas, o medalhista de bronze manteve o Brasil na segunda posição, mas perdeu força e finalizou os primeiros 200 m em sexto, com 1min45s93. Sartori, 19 anos, pulou na piscina em seguida e começou mal a prova, chegando a cair para último, mas reagiu e retomou a sexta colocação, marcando 1min46s09.

Na sequência, Correia, 22 anos, fez 1min48s11 e manteve o quarteto na sexta posição. Último a cair na água, Altamir, 25 anos, cravou 1min48s09 e não impediu que os nadadores de Suíça e Alemanha, quase três segundos mais rápidos, fizessem a ultrapassagem na reta final.

“A gente sempre quer mais, somos muito competitivos e vamos sonhar com o máximo. Mas temos que ter o pé no chão e saber que temos que avançar um passo de cada vez. Somos uma equipe muito nova, com muito a evoluir ainda. É saber avaliar os pontos positivos, melhorar os negativos. Nossa Olimpíada acabou, mas tem muita coisa pela frente”, afirmou Scheffer após a prova.
banner_toquio2021

Edição: Fábio Lisboa

LOGO AG BRASIL

Você pode Gostar de:

Seleção vence Peru e mantém campanha perfeita nas Eliminatórias

Reprodução: © Lucas Figueiredo/CBF/Direitos Reservados Neymar marca e se torna maior artilheiro do Brasil na …