...
quarta-feira ,19 junho 2024
Home / Noticias / Parte de morro desliza sobre duas casas no centro de Ouro Preto

Parte de morro desliza sobre duas casas no centro de Ouro Preto

© Reproduação/redes soci­ais

Até o momento, não há registro de vítimas


Publi­ca­do em 13/01/2022 — 11:47 Por Alex Rodri­gues — Repór­ter da Agên­cia Bra­sil — Bra­sí­lia

Um des­li­za­men­to de ter­ra em um mor­ro no cen­tro da cida­de de Ouro Pre­to (MG) atin­giu a dois casa­rões his­tó­ri­cos na manhã de hoje (13). Bom­bei­ros e téc­ni­cos da Defe­sa Civil muni­ci­pal estão no local, veri­fi­can­do a situ­a­ção. Até o momen­to, não há regis­tro de víti­mas, pois toda a área ao redor já tinha sido eva­cu­a­da.

Víde­os fil­ma­dos por pes­so­as que tes­te­mu­nha­ram o aci­den­te cir­cu­lam pelas redes soci­ais. Neles, é pos­sí­vel ver, à dis­tân­cia, o momen­to em que par­te do Mor­ro da For­ca vem abai­xo, na altu­ra da Rua Dio­go de Vas­con­ce­los, 327, pró­xi­mo ao Ter­mi­nal de Inte­gra­ção José da Sil­va Araú­jo. O aci­den­te ocor­reu por vol­ta das 9 horas, pou­co após o Cor­po de Bom­bei­ros ter sido aci­o­na­do por pes­so­as que per­ce­be­ram que o talu­de esta­va ceden­do.

Em fren­te aos imó­veis atin­gi­dos no sopé do mor­ro, do outro lado da rua, fun­ci­o­na o Cen­tro de Artes e Con­ven­ções da Uni­ver­si­da­de Fede­ral de Ouro Pre­to (UFOP). A rua foi iso­la­da e mora­do­res de casas pró­xi­mas ain­da não foram auto­ri­za­dos a retor­nar a suas resi­dên­ci­as, pois a área ao redor do talu­de que des­li­zou está ins­tá­vel devi­do às for­tes chu­vas que há sema­nas atin­gem Minas Gerais.

“Se hou­ver outro des­mo­ro­na­men­to, há a pos­si­bi­li­da­de de um hotel e um res­tau­ran­te serem atin­gi­dos”, infor­mou o Cor­po de Bom­bei­ros, em nota. Segun­do a cor­po­ra­ção, os dois casa­rões atin­gi­dos tinham valor his­tó­ri­co reco­nhe­ci­do, foram tom­ba­dos.

Moradores

Dono de uma bar­be­a­ria que fun­ci­o­na a cer­ca de 300 metros do ter­mi­nal de inte­gra­ção, Fábio Rogé­rio Alves, 44 anos, con­tou à Agên­cia Bra­sil que ele e outras duas pes­so­as, incluin­do uma fun­ci­o­ná­ria da pre­fei­tu­ra, nota­ram os pri­mei­ros sinais de que par­te do mor­ro esta­va pres­tes a ceder. Antes mes­mo de aci­o­nar as auto­ri­da­des locais, os três inter­rom­pe­ram o trân­si­to de veí­cu­los e pas­sa­ram a aler­tar as pes­so­as.

“Antes mes­mo dos bom­bei­ros che­ga­rem, pou­co antes da que­da do mor­ro, já tínha­mos iso­la­do a pas­sa­gem de veí­cu­los e de pedes­tres. Como o ter­mi­nal ain­da não esta­va fun­ci­o­nan­do, não havia mui­ta gen­te cir­cu­lan­do”, dis­se Alves. Segun­do ele, os dois casa­rões atin­gi­dos já esta­vam embar­ga­dos e lacra­dos há vári­os anos. Há 15 anos tra­ba­lhan­do de um local de onde se vê toda a Rua Dio­go de Vas­con­ce­los, o bar­bei­ro afir­ma que, no mes­mo pon­to, já hou­ve um des­li­za­men­to seme­lhan­te em 2011. “O ter­re­no ali é bas­tan­te ins­tá­vel”, expli­cou.

Maté­ria alte­ra­da às 12h para acrés­ci­mo de infor­ma­ções.

Edi­ção: Valé­ria Agui­ar

LOGO AG BRASIL

Você pode Gostar de:

RS e seis cidades gaúchas pediram ajuda ao IBGE para verificar danos

Repro­du­ção: © Rafa Neddermeyer/Agência Bra­sil Cadastro de endereços do IBGE é cruzado com áreas afetadas …