...
quarta-feira ,17 abril 2024
Home / Saúde / Práticas culturais são usadas em tratamento de saúde dos yanomami

Práticas culturais são usadas em tratamento de saúde dos yanomami

Repro­du­ção: © Fer­nan­do Frazão/Agência Bra­sil

Hospital em Roraima também adapta cardápio aos hábitos dos pacientes


Publi­ca­do em 02/02/2023 — 17:28 Por Pedro Rafa­el Vile­la — Envi­a­do espe­ci­al da Agên­cia Bra­sil — Boa Vis­ta

ouvir:

O tra­ta­men­to dos paci­en­tes indí­ge­nas no Hos­pi­tal da Cri­an­ça San­to Antô­nio (HCSA), em Boa Vis­ta (RR), tem apli­ca­do tra­di­ções cul­tu­rais dos povos, incluin­do ritu­ais de cura e ali­men­ta­ção típi­ca, segun­do o intér­pre­te de lín­guas yano­ma­mi, Richard Duque, que tra­ba­lha na uni­da­de.

“Nós aqui no hos­pi­tal res­pei­ta­mos mui­to essa prá­ti­ca. Ela é aco­lhi­da, a gen­te pre­pa­ra o ambi­en­te para que eles pos­sam fazer isso, den­tro das con­di­ções do hos­pi­tal”, expli­ca o agen­te de saú­de.

Entre as prá­ti­cas já incor­po­ra­das ao tra­ta­men­to médi­co con­ven­ci­o­nal, está o apoio espi­ri­tu­al. “A gen­te pede que eles enca­mi­nhem o reza­dor de pre­fe­rên­cia ou xapi­ri, como na lín­gua yano­ma­mi, aque­le [xamã] que a pes­soa con­fia, e a gen­te pro­vi­den­cia um momen­to para que a pes­soa pos­sa fazer sua prá­ti­ca de cura tra­di­ci­o­nal”.

Richard Duque, tradutor do Hospital da Criança Santo Antônio, especialista no atendimento a indígenas Yanomami em situação de emergência trazidos a Boa Vista.
Repro­du­ção: Richard Duque, intér­pre­te de lín­guas yano­ma­mi do Hos­pi­tal da Cri­an­ça San­to Antô­nio — Fer­nan­do Frazão/Agência Bra­sil

Tam­bém em res­pei­to à cul­tu­ra dos indí­ge­nas, a ali­men­ta­ção no HCSA é dife­ren­ci­a­da, con­for­me a pre­fe­rên­cia de cada etnia. A equi­pe nutri­ci­o­nal adap­ta o car­dá­pio do paci­en­te, incluin­do ali­men­tos como maca­xei­ra, pei­xe com fari­nha e fru­tas regi­o­nais.

O hos­pi­tal tem uma enfer­ma­ria espe­cí­fi­ca para rece­ber tan­to os indí­ge­nas yano­ma­mi, como das demais etni­as, inclu­si­ve com lei­tos-rede para cri­an­ças e acom­pa­nhan­tes.

Admi­nis­tra­do pela pre­fei­tu­ra de Boa Vis­ta, o hos­pi­tal é o úni­co que aten­de cri­an­ças a par­tir dos 29 dias de vida até 12 anos, 11 meses e 29 dias de ida­de. A uni­da­de aten­de paci­en­tes de todo o esta­do e tam­bém rece­be paci­en­tes da Gui­a­na e Vene­zu­e­la.

De acor­do com balan­ço mais recen­te, atu­a­li­za­do nes­ta quar­ta-fei­ra (1º), há 59 indí­ge­nas inter­na­dos no Hos­pi­tal da Cri­an­ça. Des­ses, 49 são cri­an­ças yano­ma­mi e sete estão na Uni­da­de de Tera­pia Inten­si­va (UTI). Em 2022, foram 703 inter­na­ções de indí­ge­nas yano­ma­mi no HCSA. As prin­ci­pais cau­sas das inter­na­ções são diar­reia agu­da, gas­tro­en­te­ro­co­li­te agu­da, des­nu­tri­ção gra­ve, pneu­mo­nia, aci­den­te ofí­di­co e malá­ria.

Doutor Eugênio Patrício, pediatra do Hospital da Criança Santo Antônio, atende indígenas Yanomami em situação de emergência trazidos a Boa Vista.
Repro­du­ção: Pedi­a­tra Eugê­nio Patrí­cio aten­de cri­an­ças yano­ma­mi em situ­a­ção de emer­gên­cia — Fer­nan­do Frazão/Agência Bra­sil

“A mai­o­ria des­sas cri­an­ças vai che­gar des­nu­tri­da, mas o que traz elas aqui é moti­va­da por outra situ­a­ção, como uma infec­ção, uma pneu­mo­nia, uma diar­reia, uma ver­mi­no­se, algum trau­ma”, expli­ca o médi­co Eugê­nio Patrí­cio, res­pon­sá­vel pela uni­da­de de cui­da­do pro­lon­ga­do do HCSA.

Segun­do ele, algu­mas cri­an­ças apre­sen­tam qua­dro gra­ve de des­nu­tri­ção, e  per­dem mais da meta­de do peso ide­al. A con­ta­mi­na­ção por ver­mi­no­ses tam­bém é uma cons­tan­te. “Algu­mas cri­an­ças che­gam a expe­lir ver­mes pela boca e pelo nariz”, rela­ta.

Edi­ção: Caro­li­na Pimen­tel

LOGO AG BRASIL

Você pode Gostar de:

Entenda o que é o transtorno do espectro autista

Repro­du­ção: © Michal Parzuchowski/Pixabay Dia Mundial de Conscientização sobre o Autismo é celebrado neste dia …