...
sábado ,15 junho 2024
Home / Economia / Prova de vida passará a ser responsabilidade do INSS

Prova de vida passará a ser responsabilidade do INSS

Repro­du­ção: © Mar­cel­lo Casal jr/Agência Bra­sil

Comprovação será feita por meio de cruzamento de dados


Publi­ca­do em 24/01/2023 — 20:21 Por Well­ton Máxi­mo – Repór­ter da Agên­cia Bra­sil — Bra­sí­lia

ouvir:

Pro­ce­di­men­to essen­ci­al que garan­te o paga­men­to de apo­sen­ta­do­ri­as e pen­sões, a pro­va de vida dei­xa­rá de ser fei­ta pelo segu­ra­do. De ago­ra em dian­te, cabe­rá ao Ins­ti­tu­to Naci­o­nal do Segu­ro Soci­al (INSS) fazer a com­pro­va­ção por meio de cru­za­men­to de dados.

A deter­mi­na­ção cons­ta de por­ta­ria assi­na­da hoje (24) pelo minis­tro da Pre­vi­dên­cia, Car­los Lupi, duran­te even­to que come­mo­rou os 100 anos da Pre­vi­dên­cia Soci­al.

Com a medi­da, o INSS terá dez meses, a par­tir da data de ani­ver­sá­rio do bene­fi­ciá­rio, para com­pro­var que o titu­lar está vivo. Se o órgão não con­se­guir fazer a com­pro­va­ção nes­se perío­do, o segu­ra­do ganha­rá mais dois meses para pro­var que está vivo. Nes­se caso, o bene­fi­ciá­rio será noti­fi­ca­do pelo apli­ca­ti­vo Meu INSS, por tele­fo­ne pela Cen­tral 135 e pelos ban­cos para iden­ti­fi­car-se e infor­mar o gover­no.

Segun­do o minis­tro, o novo sis­te­ma é mais jus­to com os segu­ra­dos por­que evi­ta o sacri­fí­cio de ido­sos com difi­cul­da­des físi­cas. “Por que o cida­dão tem que pro­var que está vivo, e não o INSS? Mui­tos não têm con­di­ções físi­cas ou quem os leve a um pos­to ou ban­co para pro­var a sua vida”, ques­ti­o­nou.

Ape­sar de dei­xar de ser obri­ga­tó­ria para o bene­fi­ciá­rio, a não ser após o cru­za­men­to de dados não reve­lar nada, a pro­va de vida pode con­ti­nu­ar a ser fei­ta pelo segu­ra­do. Bas­ta ele seguir os pro­ce­di­men­tos tra­di­ci­o­nais, indo a uma agên­cia ban­cá­ria ou se mani­fes­tan­do no apli­ca­ti­vo Meu INSS.

O Minis­té­rio da Pre­vi­dên­cia divul­gou esta­tís­ti­cas sobre a pro­va de vida. Nes­te ano, o órgão deve­rá com­pro­var a situ­a­ção de cer­ca de 17 milhões de bene­fí­ci­os, entre apo­sen­ta­do­ri­as, pen­são por mor­te e bene­fí­ci­os por inca­pa­ci­da­de.

Edi­ção: Nádia Fran­co

LOGO AG BRASIL

Você pode Gostar de:

Nova vítima das enchentes é encontrada no RS; mortes chegam a 173

Repro­du­ção: © Rafa Neddermeyer/Agência Bra­sil Corpo encontrado em Roca Sales ainda não foi identificado Publicado …