terça-feira ,15 junho 2021
Home / Política / Senado aprova PL de prevenção ao endividamento

Senado aprova PL de prevenção ao endividamento

Moeda Nacional, Real, Dinheiro, notas de real
Reprodução: © Marcello Casal Jr / Agência Brasil

Meta é evitar contratação de crédito além da capacidade de pagamento


Publicado em 09/06/2021 – 19:44 Por Marcelo Brandão – Repórter da Agência Brasil – Brasília

O Senado aprovou projeto de lei (PL) com regras de prevenção ao superendividamento da população. O texto propõe mecanismos e traz vedações para impedir a contratação de empréstimos acima da capacidade de pagamento do consumidor. O cenário de pandemia, onde há diminuição da renda e existe a oferta de empréstimos na praça, pode ampliar ainda mais o endividamento, e é isso que o PL tenta evitar.

O texto vai agora à sanção presidencial.

O projeto estabelece prazo de até sete dias para o consumidor desistir de crédito consignado contratado. Além disso, proíbe as instituições financeiras de ocultarem os ônus e riscos da contratação e de sugerirem a possibilidade de conceder crédito sem consulta a cadastros negativos ou avaliação da situação financeira do consumidor.

O PL prevê também a revisão do contrato de empréstimo quando a instituição não avaliar, de forma responsável, as condições de crédito ao consumidor. O texto ainda regula as operações de crédito consignado, fixando um limite de no máximo 30% dos vencimentos, que pode ser acrescido de até 5%, destinados exclusivamente a despesas contraídas por meio de cartão de crédito. A revisão do contrato também é prevista na hipótese de descumprimentos desses limites.

O PL também veda o assédio ou pressão ao consumidor para que contrate o empréstimo, inclusive por meio de oferta de prêmio, principalmente quando se tratar de pessoas mais vulneráveis, como idosos, analfabetos ou doentes.

O relator da matéria, Rodrigo Cunha (PSDB-AL), destacou a importância de mecanismos de controle na concessão de créditos que poderiam endividar em excesso a população. “As medidas propostas poderão restaurar a paz e a dignidade de muitas famílias que experimentam hoje dificuldades para renegociar dívidas e preservar renda suficiente para garantir seu mínimo existencial”, diz Cunha em seu parecer.

Segundo consta no relatório, existem hoje no Brasil mais de 62 milhões de inadimplentes, número que corresponde a 57% da população adulta.

Edição: Nádia Franco

LOGO AG BRASIL

Você pode Gostar de:

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, participa da abertura do seminário “Agro em Questão”.

Mourão: Brasil caminha para independência na produção de vacinas

Vice-presidente publicou artigo sobre perspectiva de vacinação Publicado em 03/06/2021 – 13:00 Por Agência Brasil …