...
domingo ,16 junho 2024
Home / Direitos Humanos / SP: peritos encontram pouca comida e casos de gangrena em presídios

SP: peritos encontram pouca comida e casos de gangrena em presídios

Repro­du­ção: © Fotos Mídi­as soci­ais

Relatório parcial foi apresentado na Alesp


Publi­ca­do em 30/10/2023 — 07:11 Por Bru­no Boc­chi­ni – Repór­ter da Agên­cia Bra­sil — São Pau­lo

ouvir:

Peri­tos do Meca­nis­mo Naci­o­nal de Com­ba­te à Tor­tu­ra (MNPCT) cons­ta­ta­ram vio­la­ções aos direi­tos huma­nos em peni­ten­ciá­ri­as do esta­do de São Pau­lo. O órgão rea­li­zou vis­to­ri­as sur­pre­sa duran­te o mês de outu­bro em cin­co peni­ten­ciá­ri­as, dois cen­tros de aten­di­men­to ao ado­les­cen­te, um cen­tro de deten­ção pro­vi­só­ria (CDP), e um ser­vi­ço de cui­da­dos pro­lon­ga­dos em álco­ol e dro­gas do esta­do.

O docu­men­to foi apre­sen­ta­do na Assem­bleia Legis­la­ti­va do Esta­do de São Pau­lo (Alesp) na últi­ma sex­ta-fei­ra (27). O rela­tó­rio com­ple­to deve­rá ser publi­ca­do daqui a dois ou três meses.

Entre os prin­ci­pais pro­ble­mas encon­tra­dos, está o for­ne­ci­men­to de ali­men­ta­ção insu­fi­ci­en­te na peni­ten­ciá­ria Ven­ces­lau 2, em Pre­si­den­te Ven­ces­lau; e a fal­ta de cui­da­dos médi­cos. Os peri­tos encon­tra­ram um deten­to com o pé gan­gre­na­do, na peni­ten­ciá­ria Desem­bar­ga­dor Adri­a­no Mar­rey (foto em des­ta­que), em Gua­ru­lhos; e outro com uma infec­ção gra­ve nos dedos do pé, na Peni­ten­ciá­ria Adri­a­no Apa­re­ci­do de Pie­ri, em Dra­ce­na.

“Em Gua­ru­lhos há um deten­to com o pé que está em está­gio de necro­se já bas­tan­te avan­ça­do. Essa pes­soa pre­ci­sou ampu­tar o dedo, já come­çou uma situ­a­ção de ampu­ta­ção por cau­sa de uma infec­ção e ago­ra essa ampu­ta­ção esta­va necro­san­do e esta­va se espa­lhan­do pelo pé intei­ro, com ris­co inclu­si­ve de sept­se­mia e mor­te”, des­ta­cou a peri­ta e coor­de­na­do­ra adjun­ta do MNPCT, Caro­li­na Bar­re­to Lemos.

“Essa situ­a­ção foi leva­da ime­di­a­ta­men­te à dire­ção da uni­da­de. Nós pedi­mos pro­vi­dên­ci­as ime­di­a­tas e esta­mos acom­pa­nhan­do esse caso com mui­ta aten­ção, por­que real­men­te é uma situ­a­ção que pode levar à mor­te des­sa pes­soa sim­ples­men­te por ela não ter aces­sa­do aqui­lo que lhe é um direi­to bási­co”, acres­cen­tou.

A peri­ta res­sal­ta ain­da que há uni­da­des pri­si­o­nais onde, mes­mo com a pre­sen­ça de médi­co, os deten­tos não são aten­di­dos. E quan­do há o aten­di­men­to, é fei­to de for­ma desu­ma­ni­za­da. “Mes­mo quan­do há a equi­pe médi­ca, não se aces­sa a equi­pe. Não bas­ta ter médi­co na uni­da­de, é pre­ci­so ter o aces­so a esses pro­fis­si­o­nais”, dis­se.

“Vimos manei­ras extre­ma­men­te desu­ma­ni­za­das des­se aten­di­men­to, as pes­so­as ficam den­tro das celas, enquan­to o médi­co fica do lado de fora aten­den­do elas, sem sequer colo­car a mão.”

Alimentação

São Paulo-SP 29-10-23 Alimentação insuficiente na penitenciária Venceslau 2, em Presidente Venceslau (SP) Foto MNPCT
Repro­du­ção: Peri­tos vis­to­ri­a­ram a peni­ten­ciá­ria Ven­ces­lau 2, em Pre­si­den­te Ven­ces­lau e cons­ta­ta­ram ali­men­ta­ção insu­fi­ci­en­te — Foto MNPCT

De acor­do com os peri­tos, foi cons­ta­ta­do o for­ne­ci­men­to de ali­men­ta­ção pre­cá­ria na Peni­ten­ciá­ria Mau­rí­cio Hen­ri­que Gui­ma­rães Perei­ra (Ven­ces­lau 2), em Pre­si­den­te Ven­ces­lau. Segun­do o rela­tó­rio par­ci­al, são ofe­re­ci­das três refei­ções diá­ri­as com­pra­das pela uni­da­de pri­si­o­nal a um cus­to total de R$ 8. “Não tem como fazer três refei­ções nutri­ti­vas com R$ 8 para o dia intei­ro”, des­ta­ca Lemos.

A peri­ta res­sal­ta que, de for­ma geral, nas peni­ten­ciá­ri­as vis­to­ri­a­das as ali­men­ta­ções for­ne­ci­das são de peque­na quan­ti­da­de e pouquís­si­ma vari­e­da­de nutri­ci­o­nal, com ali­men­tos com pou­co valor nutri­ti­vo.

“Os deten­tos são pes­so­as mui­to ema­gre­ci­das, pes­so­as sub­nu­tri­das”.

Ela apon­ta ain­da que o sis­te­ma de lici­ta­ção no esta­do de São Pau­lo – para a com­pra das ali­men­ta­ções aos pre­si­diá­ri­os – não é o ade­qua­do.

“A gen­te iden­ti­fi­cou que há uma ques­tão extre­ma­men­te gra­ve na ges­tão do recur­so na Secre­ta­ria de Admi­nis­tra­ção Peni­ten­ciá­ria, por­que cada uni­da­de pri­si­o­nal é res­pon­sá­vel por fazer a sua pró­pria lici­ta­ção. Isso é iné­di­to, nós nun­ca vimos isso em outro esta­do do Bra­sil, e isso diz mui­to. Ou seja, são peque­nas lici­ta­ções fei­tas pelas uni­da­des, o que vai gerar um cus­to mais alto e uma pior ges­tão des­se recur­so”.

Os esta­be­le­ci­men­tos vis­to­ri­a­dos foram:

  • Peni­ten­ciá­ria Zwin­glio Fer­rei­ra (Ven­ces­lau 1) e a Peni­ten­ciá­ria Mau­rí­cio Hen­ri­que Gui­ma­rães Perei­ra (Ven­ces­lau 2), em Pre­si­den­te Ven­ces­lau;
  • Peni­ten­ciá­ria Femi­ni­na de Tupi Pau­lis­ta;
  • Peni­ten­ciá­ria Adri­a­no Apa­re­ci­do de Pie­ri, em Dra­ce­na;
  • Peni­ten­ciá­ria Desem­bar­ga­dor Adri­a­no Mar­rey (Gua­ru­lhos 2), em Gua­ru­lhos;
  • Cen­tro de Deten­ção Pro­vi­só­ria Femi­ni­no de Fran­co da Rocha;
  • Asso­ci­a­ção Assis­ten­ci­al Adolpho Bezer­ra de Mene­zes — uni­da­de hos­pi­ta­lar, em Pre­si­den­te Pru­den­te;
  • Cen­tro de Aten­di­men­to Soci­o­e­du­ca­ti­vo ao Ado­les­cen­te Chi­qui­nha Gon­za­ga, em São Pau­lo;
  • Cen­tro de Aten­di­men­to Soci­o­e­du­ca­ti­vo ao Ado­les­cen­te Casa, em São Pau­lo; e
  • Ser­vi­ço de Cui­da­dos Pro­lon­ga­dos Álco­ol e Dro­gas Bora­cea, São Pau­lo.

Em nota, a Secre­ta­ria de Admi­nis­tra­ção Peni­ten­ciá­ria infor­mou que ain­da não rece­beu o rela­tó­rio do Meca­nis­mo Naci­o­nal de Pre­ven­ção e Com­ba­te à Tor­tu­ra (MNPCT).

“A Secre­ta­ria da Admi­nis­tra­ção Peni­ten­ciá­ria (SAP) escla­re­ce que ain­da não rece­beu nenhum rela­tó­rio do refe­ri­do órgão, pre­li­mi­nar ou defi­ni­ti­vo, moti­vo pelo qual não comen­ta­rá as ale­ga­ções no momen­to. Esta Secre­ta­ria rea­fir­ma seu com­pro­mis­so com o aper­fei­ço­a­men­to con­tí­nuo do sis­te­ma pri­si­o­nal pau­lis­ta, bem como com o res­pei­to e a pro­mo­ção dos direi­tos fun­da­men­tais da pes­soa huma­na”.

O MNPCT faz par­te do Sis­te­ma Naci­o­nal de Pre­ven­ção e Com­ba­te à Tor­tu­ra, ins­ti­tuí­do por lei fede­ral em 2013. O órgão é com­pos­to por 11 peri­tos inde­pen­den­tes, que podem aces­sar as ins­ta­la­ções de pri­va­ção de liber­da­de, como cen­tros de deten­ção, hos­pi­tal psi­quiá­tri­co, abri­go de pes­soa ido­sa, ins­ti­tui­ção soci­o­e­du­ca­ti­va ou cen­tro mili­tar de deten­ção dis­ci­pli­nar.

Edi­ção: Deni­se Gri­e­sin­ger

LOGO AG BRASIL

Você pode Gostar de:

Governo anula leilão e cancela compra de arroz importado

Repro­du­ção: © Mar­cel­lo Casal Jr / Agên­cia Bra­sil Secretário pediu demissão após suspeitas de conflito …