...
quinta-feira ,25 julho 2024
Home / Saúde / Vacinação reduz ocupação de UTIs nos estados para menos de 90%

Vacinação reduz ocupação de UTIs nos estados para menos de 90%

Vacinação Covid ubs asa sul Brasília-DF, 11/06/2021 Foto: Walterson Rosa/MS
Repro­dução: © Wal­ter­son Rosa/MS

Apenas 3 estados e o DF estão na zona de alerta crítico, diz Fiocruz


Pub­li­ca­do em 14/07/2021 — 14:37 Por Viní­cius Lis­boa — Repórter da Agên­cia Brasil — Rio de Janeiro

O avanço da vaci­nação con­tin­ua a reduzir a inter­nação de pacientes com covid-19 em unidades de ter­apia inten­si­va (UTIs) no país e, pela primeira vez des­de dezem­bro de 2020, nen­hu­ma unidade da fed­er­ação está com mais de 90% dess­es leitos ocu­pa­dos. O dado con­s­ta do Bole­tim Obser­vatório Covid-19, divul­ga­do hoje (14) pela Fun­dação Oswal­do Cruz (Fiocruz). Segun­do os pesquisadores da Fiocruz, a vaci­nação tem feito difer­ença e traz reflex­os pos­i­tivos ao quadro pandêmi­co à medi­da que é ampli­a­da.

O bole­tim mostra que qua­tro unidades da fed­er­ação per­manecem na zona de aler­ta críti­co, com mais 80% dos leitos ocu­pa­dos. A pior situ­ação é a de San­ta Cata­ri­na (82%), segui­da por Goiás (81%), Paraná (81%) e Dis­tri­to Fed­er­al (80%).

A maior parte do país encon­tra-se na zona de aler­ta inter­mediário, em que as taxas de ocu­pação vari­am entre 60% e 80%, e sete esta­dos estão na zona de aler­ta baixo, com menos de 60%: Acre (24%), Amapá (47%), Espíri­to San­to (55%), Paraí­ba (39%), Rio de Janeiro (57%), Rio Grande do Norte (55%) e Sergipe (50%).

taxa_de_ocupacao_leitos_uti_mapa

Repro­dução: Taxa de ocu­pação (%) de leitos de UTI covid-19 para adul­tos — Arte/Fiocruz

Entre as cap­i­tais, Goiâ­nia é a úni­ca com mais de 90% dos leitos ocu­pa­dos (92%), e a situ­ação tam­bém é con­sid­er­a­da críti­ca em Brasília (80%), Rio de Janeiro (81%) e São Luís (81%). De acor­do com a Fiocruz, 12 cap­i­tais estão fora da zona de aler­ta: Por­to Vel­ho (57%), Rio Bran­co (24%), Belém (48%), Macapá (52%), Natal (53%), João Pes­soa (40%), Recife (50%), Maceió (55%), Ara­ca­ju (50%), Sal­vador (52%), Vitória (54%) e Flo­ri­anópo­lis (53%). As demais estão na zona de aler­ta inter­mediário.

Os pesquisadores avaliam que a imu­niza­ção tem feito a difer­ença para a que­da dos per­centu­ais, mas aler­tam que as vaci­nas têm capaci­dade lim­i­ta­da de blo­quear a trans­mis­são do vírus, que con­tin­ua a cir­cu­lar de for­ma inten­sa. “As vaci­nas são espe­cial­mente efe­ti­vas na pre­venção de casos graves”, resume o estu­do, que pede a con­tinuidade do dis­tan­ci­a­men­to social, do uso de más­caras e dos cuida­dos com a higiene, além de reforçar que todos devem bus­car a vaci­nação con­forme o cal­endário de seus municí­pios.

“A pre­ocu­pação com a pos­si­bil­i­dade de surg­i­men­to de vari­antes com poten­cial de reduzir a efe­tivi­dade das vaci­nas disponíveis é per­ti­nente e não pode ser per­di­da de vista.”

taxa_de_ocupacao_leitos_uti_mapa_2Taxa de ocupação (%) de leitos de UTI covid-19 para adultos — Arte/Fiocruz

O relatório desta­ca ain­da que os indi­cadores de incidên­cia e mor­tal­i­dade da covid-19 no país estão em que­da pela ter­ceira sem­ana segui­da. Ape­sar dis­so, a pan­demia man­têm pata­mares altos, com média de mais de 46 mil novos casos e 1,3 mil óbitos diários nos últi­mos sete dias. O bole­tim da Fiocruz diz ain­da que o cenário pode indicar um arrefec­i­men­to mais duradouro da pan­demia nos próx­i­mos meses, mas ressalta que isso depen­derá da inten­si­fi­cação da cam­pan­ha de vaci­nação, da ade­quação das práti­cas de vig­ilân­cia em saúde, do reforço da atenção primária e da adoção das medi­das de pro­teção indi­vid­ual.

Edição: Nádia Fran­co

LOGO AG BRASIL

Você pode Gostar de:

Inscrição para 1ª etapa do Revalida termina nesta sexta-feira

Repro­dução: © Marce­lo Camargo/Agência Brasil Provas estão previstas para dia 25 de agosto Publicado em …