...
sábado ,25 maio 2024
Home / Noticias do Mundo / Vieira critica impasse do Conselho de Segurança: “falhamos”

Vieira critica impasse do Conselho de Segurança: “falhamos”

Repro­du­ção: © Ita­ma­raty Bra­sil / X

Chanceler brasileiro questionou interesses paralelos de países-membros


Publi­ca­do em 30/10/2023 — 20:52 Por Agên­cia Bra­sil — Bra­sí­lia

ouvir:

Repre­sen­tan­te do Bra­sil no Con­se­lho de Segu­ran­ça das Nações Uni­das, o minis­tro das Rela­ções Exte­ri­o­res, Mau­ro Viei­ra, fez duras crí­ti­cas à demo­ra do cole­gi­a­do em apro­var uma reso­lu­ção sobre o con­fli­to entre Isra­el e o gru­po islâ­mi­co Hamas, que con­tro­la a Fai­xa de Gaza, no Ori­en­te Médio. Em reu­nião ocor­ri­da na tar­de des­ta segun­da-fei­ra (30), Viei­ra cri­ti­cou a pos­tu­ra de alguns paí­ses que, segun­do ele, usam o Con­se­lho para atin­gir obje­ti­vos pes­so­ais, e não o de pro­te­ger os civis do Ori­en­te Médio.

“Des­de o dia 7 de outu­bro, nos reu­ni­mos vári­as vezes e vota­mos qua­tro pro­pos­tas de reso­lu­ção. No entan­to, con­ti­nu­a­mos com um impas­se, devi­do a um desen­ten­di­men­to inter­no, par­ti­cu­lar­men­te entre mem­bros per­ma­nen­tes e gra­ças ao per­sis­ten­te uso do con­se­lho para atin­gir seus pró­pri­os pro­pó­si­tos em vez de colo­car a pro­te­ção de civis aci­ma de tudo”, dis­se. “Todos estão ven­do nos­sa inca­pa­ci­da­de de nos unir e res­pon­der a uma cri­se que nos desa­fia”, acres­cen­tou.

O Bra­sil pre­si­diu o con­se­lho nes­te mês de outu­bro e ten­tou cos­tu­rar a apro­va­ção de uma reso­lu­ção por vári­os dias, ouvin­do diver­sos paí­ses. Mas, no dia 18, ao sub­me­ter o tex­to à vota­ção, ele aca­bou veta­do pelos Esta­dos Uni­dos, um dos paí­ses-mem­bros.

O Con­se­lho de Segu­ran­ça da ONU tem cin­co mem­bros per­ma­nen­tes: Chi­na, Fran­ça, Rús­sia, Rei­no Uni­do e os Esta­dos Uni­dos. Os demais com­põem o con­se­lho rota­ti­vo. Para que uma reso­lu­ção seja apro­va­da, é pre­ci­so o apoio de nove do total de 15 mem­bros, sen­do que nenhum dos mem­bros per­ma­nen­tes pode vetar o tex­to. Além da pro­pos­ta apre­sen­ta­da pelo Bra­sil, os Esta­dos Uni­dos apre­sen­ta­ram sua ver­são de reso­lu­ção, veta­da pela Rús­sia. Os rus­sos, por sua vez, tive­ram suas duas pro­pos­tas veta­das pelos Esta­dos Uni­dos e pelo Rei­no Uni­do.

As vári­as ten­ta­ti­vas infru­tí­fe­ras de apre­sen­tar um posi­ci­o­na­men­to comum deram com­bus­tí­vel às crí­ti­cas de Viei­ra. Ele pre­si­dia a reu­nião, mas antes de ler seu dis­cur­so “seguin­do as ori­en­ta­ções do pre­si­den­te Lula”, pediu licen­ça aos cole­gas e falou como chan­ce­ler bra­si­lei­ro.

“Des­de a últi­ma vez que eu falei a este Con­se­lho, na sema­na pas­sa­da, a con­ta­gem de mor­tes de cri­an­ças aumen­tou em mil. Enquan­to isso, o Con­se­lho de Segu­ran­ça rea­li­za reu­niões e ouve dis­cur­sos, sem ser capaz de tomar uma deci­são fun­da­men­tal: aca­bar com o sofri­men­to huma­no”, dis­se. Segun­do ele, o con­se­lho tem falha­do reu­nião após reu­nião em colo­car as vidas dos civis como pri­o­ri­da­de.

“Enquan­to milha­res de isra­e­len­ses e pales­ti­nos cho­ram seus entes que­ri­dos, enquan­to isra­e­len­ses ago­ni­zam dian­te do des­ti­no dos reféns, enquan­to Gaza sofre dian­te da impla­cá­vel ope­ra­ção mili­tar que está matan­do civis, incluin­do um into­le­rá­vel núme­ro de cri­an­ças, nós temos mei­os de fazer algo e ain­da, repe­ti­da­men­te, falha­mos”.

Em dis­cur­so dire­to e com tom crí­ti­co, Viei­ra tam­bém pediu pelo fim das hos­ti­li­da­des e pelo aces­so de aten­di­men­to médi­co às víti­mas civis na Fai­xa de Gaza. Ele des­ta­cou que, em três sema­nas de con­fli­to, já são con­ta­bi­li­za­dos 8 mil mor­tos, sen­do 3 mil cri­an­ças. Em cer­to pon­to de seu dis­cur­so, o chan­ce­ler citou o Hamas como o res­pon­sá­vel por rea­cen­der a cri­se na região com “ações ter­ro­ris­tas”.

Ele acres­cen­tou que ain­da pode haver tem­po para o Con­se­lho de Segu­ran­ça se posi­ci­o­nar do lado dos civis e con­tra as hos­ti­li­da­des na região. “Se não ago­ra, quan­do? Quan­tas vidas mais serão per­di­das até nós final­men­te nos sair­mos da retó­ri­ca para a ação?”, fina­li­zou.

Divergências

O con­se­lho tem tes­te­mu­nha­do nas últi­mas sema­nas uma dis­pu­ta entre Esta­dos Uni­dos e Rús­sia por um pro­ta­go­nis­mo no dis­cur­so. Enquan­to os nor­te-ame­ri­ca­nos, apoi­a­dos pelo Rei­no Uni­do, exi­gem uma reso­lu­ção que garan­ta a Isra­el, ali­a­do de ambos, o direi­to de res­pon­der aos ata­ques sofri­dos, a Rús­sia pro­põe um ces­sar-fogo, mas não cita o Hamas.

Os rus­sos tam­pou­co con­de­nam o gru­po islâ­mi­co pelas ações que deram iní­cio ao mais recen­te capí­tu­lo no con­fli­to his­tó­ri­co pela região.

Como ambos têm poder de veto, sem­pre há o posi­ci­o­na­men­to de um con­tra a reso­lu­ção apoi­a­da pelo outro. Na reso­lu­ção apre­sen­ta­da pelo Bra­sil, e que teve uma mai­or expec­ta­ti­va de apro­va­ção, a Rús­sia ape­nas se abs­te­ve. Nes­se caso, cou­be aos Esta­dos Uni­dos a der­ru­ba­da do tex­to.

Edi­ção: Sabri­na Crai­de

LOGO AG BRASIL

Você pode Gostar de:

Governo chama embaixador do Brasil em Israel para consultas

Repro­du­ção: © Geral­do Magela/Agência Sena­do Embaixador de Israel no Brasil foi chamado ao Itamaraty Publi­ca­do …